Pular para o conteúdo principal

Os quadrinhos franceses de Blackstar

Como expliquei em outra ocasião, Blackstar da Filmation (1981) foi uma das séries criadas para aproveitar o sucesso de Star Wars. Naquela época, as séries não tinham lançamento mundial simultâneo.





Em 1983, estreou no canal francês TF1, a série Thundarr, the Barbarian da Ruby-Spears (1980-1982), com o título de Arok le Barbare e no ano seguinte foi a vez de He-Man and the Masters of the Universe (1983-1984 ) da Filmation, exibido pelo canal Antenne 2 como Les Maîtres de l'univers. Em 1985, para concorrer com He-Man, o TF1 passa a exibir Blackstar.  Algo parecido aconteceu no Brasil:  a trilogia de tokusatsu da Toei, Gaban (1982-1983), Sharivan (1983-1984) e Shaider (1984-1985), foram exibidas foram de ordem.  Sharivan  foi primeiro exibido na Bandeirantes (1990), Shaider  pela TV Gazeta (ainda em 1990) e Gaban pela  Rede Globo (1991).



A franquia gerou histórias em quadrinhos, diferente de He-Man, She-Ra e Bravestarr, não existiram HQs em seu próprio país de origem (uma vez que a série só teve 13 episódios, um número baixo para séries de televisão). Ainda em 1985, a Pif Gadget da Editions Vaillant publicou quadrinizações de episódios, adaptados por Jean Ollivier (roteiros) e Christian Gaty (desenhos).  Uma adaptação da dupla também foi publicada pela Carrère - Michel Lafon.  A Éditions Lug também publicou uma adaptação, em "Strange presente Blackstar". O quadrinista apresenta uma versão própria do herói, criando novos vilões e estabelecendo que Blackstar e Mara se tornaram um casal. Em 1987, A Pif Gadget também publicou adaptações do desenho franco-americano-japonês Jayce and The Wheeled Warriors (1985).






A revista Strange surgiu em 1970 como uma revista dedicada aos heróis da Marvel, publicada em petit format (um formato parecido com os formatinhos brasileiros) e em preto e branco. Na mesma editora, Mitton  era capista de revistas heróis da Marvel, como Homem-Aranha e Quarteto Fantástico e em 1980, com auxilio do co-fundador da editora,  Marcel Navarro,  criou um super-herói: Mikros, publicado nas revistas Mustang e Titan. Com o falecimento do outro fundador, Auguste Vistel,  e a aposentadoria de Navarro, a editora foi vendida para o grupo escandinavo Semic. Em 1996, a Semic perde a licença da Marvel, totalizando 324 edições e passa a publicar os quadrinhos da DC.  Porém, a revista durou apenas mais 10 edições. Em 2007, pela Organic Comix surge uma nova Strange, dessa vez como uma revista teórica de quadrinhos, trazendo HQs e  matérias sobre os quadrinhos americanos de autores como Jack Kirby e Joe Simon e de franceses, como o próprio  Mitton.  A revista foi cancelada em 2012.


Agradecimentos ao Willian Maioli por indicar a adaptação da Lug.
Fontes e referências
Gaban

Blackstar - Le monstre de la boue

The French Blackstar Comics

Jean Ollivier


Blackstar

L’Instant Vintage: ToysFocus John Blackstar (Orli Jouet 1985)



Le nouveau Pif et son gadget en 1985

A Jayce and the Wheeled Warriors comic


Strange (magazine)

Blackstar (TV series)

Les Maîtres de l'univers (série télévisée d'animation)

Arok le barbare

Jean-Yves Mitton

Christian Gaty

French BLACKSTAR (1981) Comic Book

Jean-Yves Mitton - Grand Comic Database

Jean-Yves Mitton - Comics Lug

Strange - Organic Comix

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Muttley e Rabugento

Muttley e Rabugento (Mumbly no original) são bem parecidos, nesse texto pretendo explicar as origens criativas contar um pouco da história desses personagens ao longo dos anos.

Mangás brasileiros ao longo das décadas

Esse texto é uma atualização do texto publicado no site Kotatsu Wikia, onde fui convidado a colaborar em um texto pré-existente.


Histórias em Quadrinhos em domínio público nos Estados Unidos

Quando se diz que uma obra está em domínio público, significa que seus direitos expiraram e que pode ser usada livremente. Contudo, definir o domínio público não é uma tarefa fácil.