Pular para o conteúdo principal

Os Quadrinhos de G.I. Joe/Comandos em Ação no Brasil




G.I. Joe/Comandos em Ação é uma famosa franquia de action figures com inspiração militar, lançada pela Hasbro em 1964. 





Durante a Primeira Guerra Mundial, o termo foi G.I. Joe usado para designar soldados americanos. Antes dos quadrinhos licenciados pela Hasbro, foram publicadas tiras de jornal e revistas em quadrinhos com o nome G.I. Joe foram publicadas pela King Features Syndicate, Ziff-Davis e DC Comics entre 1942 e 1965, curiosamente, o nome Comandos em Ação também havia sido usado numa revista em quadrinhos brasileira publicada entre 1966 e 1967 pela Editora La Selva e trazia histórias de guerra.


Falcon

Em 1977, a fabricante brasileira Estrela consegue a licença da coleção G.I. Joe Adventure Team e rebatiza como Falcon. Para promover os bonecos, a Estrela encomenda histórias em quadrinhos para a Editora Três.

Em Setembro do mesmo ano, é publicada a revista "Falcon Especial" em formato magazine e com duas histórias histórias creditas por Teresa Saidenberg (na verdade, as histórias foram escritas por Ivan Saindenberg, usando o nome da esposa), Ivan é conhecido por histórias de terror e histórias em quadrinhos Disney, e desenhadas por Antonio Homobono Baliero. Dois meses depois, a editora lança uma revista "Comandos em Ação - Falcon", em formatinho. A revista teve quatro edições e roteiros de Maria Duque Estrada, Walter Negrão e desenhos de Antonio Baliero e Michio Yamashita. Nessas histórias, Falcon é uma espécie de Agente Secreto, bastante parecido com James Bond.




Falcon Epecial #1 (1977) capa de Antonio Baliero.

Comandos em Ação- Falcon #2 (1977) arte de Michio Yamashita 


A mesma estratégia de criar um personagem local, foi feita pela empresa britânica Palitoy, que, em 1966, lançou o Action Man para os mercados britânico e australiano. Anos mais tarde, o Action Man passou a ter uma coleção própria pela Hasbro, e até teve desenhos animados (exibidos no Brasil pelo SBT e pela Globo).


Em 1982, foi lançada a coleção Action Force, baseada na versão dos Joes da Marvel, que também teve quadrinhos pela Marvel UK, republicados pela Marvel americana com o nome de GI Joe – European Missions.
A própria Hasbro já havia lançado quadrinhos para divulgar  suas coleção.
intruders_comic_ad1
    História de uma página publicada como informe publicitário nas revistas da Marvel Comics (1976)

    Em 1979, Falcon voltou as bancas pela Editora Abril, dessa vez na revistas Destaque e Brinque e Transfer
    Falcon foi explorado pela Estrela  até 1994. Em 2000, a empresa lançou a coleção Força de Ataque, vendida exclusivamente nas lojas americanas, porém, essa série não teve o nome Falcon.

    Curiosamente, Falcon foi o nome usado em outro personagem da franquia G.I. Joe, trata-se do Tenente Falcon, meio-irmão mais novo do Duke, 




    Comandos em Ação

    Em 1982, a Hasbro planejou o lançamento de uma nova coleção. Para isso, contratou a Marvel para criar histórias em quadrinhos. Jim Shooter, editor da Marvel, resolve pegar um projeto do roteirista Larry Hama, que planejava uma nova HQ dos Agentes da Shield e transforma em G.I. Joe: A Real American Hero. 


    Em 1984, a Estrela lança a versão de G.I. Joe: A Real American Hero -  desta vez chamando apenas de Comandos em Ação. Com tempo, Falcon passou a ser uma coleção à parte, tendo inclusive aventuras espaciais (inspirado no sucesso dos filmes de Star Wars), porém, não teve mais oportunidade nos quadrinhos.

    Em 1986, a série animada baseada na coleção começou a ser exibida na Rede Globo. No ano seguinte, a Editora Globo lança uma revista em quadrinhos que dura 12 edições.




    Uma outra revista foi lançada pela Editora 777 e distribuída como brindes de aniversários. Não se sabe a origem dessas histórias - o site Guia dos Quadrinhos sugere que possa ter sido publicada entre 1991 e 1992 (época em que não havia menção a  G.I. Joe no título). Na contra-capa da revista, traz o nome da empresa de produtos para festas Reizinho, que também comercializou máscaras da série.

      Revista publicada pela Editora 777/Reizinho

    Máscaras comercializadas pela empresa Reizinho


    Em 1993, as coleções de Comandos em Ação, passaram a trazer também o nome G.I. Joe, no mesmo ano, é a vez da Editora Abril arriscar um título do grupo,  a revista dura apenas 10 edições.

    A Estrela encomendou histórias em quadrinhos no formato de informes publicitários em revistas em quadrinhos - três dessas histórias foram identificadas com a autoria de Marcelo Cassaro e uma outra ainda sem identificação. As histórias se referem as coleções dos anos de 1992 e 1993.
     G.I. Joe Marcelo Cassaro
    Informe publicitário/história em quadrinhos escrita e desenhada por Marcelo Cassaro (assinada apenas como Marcelo)
    A série da Marvel durou 155 edições e foi publicada de 1982 a 1994.
    Até mesmo a coleção Clássicos Falcon de 1994, trouxe os nomes Comandos em Ação e G.I. Joe, tratava-se de uma versão brasileira da G.I. JoeHall of Fame (1991-1994).



    Em  2002, a Gulliver lançou a coleção de G.I. Joe vs Cobra, em 2008, a Estrela ainda possuía os direitos da marca Comandos em Ação e lançou a coleção Novos Comandos em Ação - Soldier, baseada numa outra franquia, Soldier Force da empresa chinesa Chap Mei.




    Apesar do lançamento dos filmes G.I. Joe: A Origem de Cobra (2009) e G.I. Joe: Retaliação (2013), não houve mais publicações de quadrinhos da franquia no Brasil.

    Em 2017, em comemoração de 80 anos da empresa, a Estrela anunciou o relançamento do Falcon.


    Agradecimento ao Lucas Ed, o Poderoso Porco do MDM pelos informes publicitários criados por Marcelo Cassaro e a Lucila Saindeberg (filha de Ivan) pela identificação dos roteiros do Falcon.
    Fontes e referências


    Lucila Simões Saidenberg. Ivan Saindeberg - o homem que rabiscava, Marsupial Editora, 2014









    Comentários

    1. Quiof, tem um trecho repetido do texto.
      Aqui:

      A Estrela encomendou quatro histórias em quadrinhos no formato de informes publicitários em revistas em quadrinhos - três dessas histórias foram identificadas com a autoria de Marcelo Cassaro e uma outra ainda sem identificação. As histórias se referem as coleções dos anos de 1992 e 1993.


      Daí vem a imagem e o texto repete de novo.
      De resto, boa matéria! Valeu! =)

      ResponderExcluir
    2. Legal,tenho um pacote de mascaras fechado comigo!!! e muitos bonecos!!!

      ResponderExcluir

    Postar um comentário

    Postagens mais visitadas deste blog

    Muttley e Rabugento

    Muttley e Rabugento (Mumbly no original) são bem parecidos, nesse texto pretendo explicar as origens criativas contar um pouco da história desses personagens ao longo dos anos.

    Mangás brasileiros ao longo das décadas

    Esse texto é uma atualização do texto publicado no site Kotatsu Wikia, onde fui convidado a colaborar em um texto pré-existente.


    Histórias em Quadrinhos em domínio público nos Estados Unidos

    Quando se diz que uma obra está em domínio público, significa que seus direitos expiraram e que pode ser usada livremente. Contudo, definir o domínio público não é uma tarefa fácil.