Marcadores

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Quadrinhos baseados em animes publicados no Brasil




Speed Racer


Em Janeiro de 1977, a Editora Abril publica a edição 40 da revista Diversões Juvenis, dedicada a Speed Racer, da Tatsunoko Productions. A revista era usada para testar futuros títulos solos. Em março do mesmo ano, surge a revista própria do herói, licenciada pela Whiland International S.A., empresa que representava a série na América Latina. A maioria das histórias tinha origem argentina, publicada pela Editorial Abril. Para suprir o material, a Abril publicou histórias produzidas no próprio país (as chamadas histórias de código B, também presente em quadrinhos Disney e Hanna-Barbera). Entre os desenhistas, estavam Michio Yamashida. A revista foi publicada até 1979 durou 18 edições e uma edição especial. 


Speed Racer #5 (setembro de 1977)

Speed Racer também chegou a ser chamado de Meteoro no país, nas primeiras exibições pela Rede Globo nos anos 60, o desenho ficou conhecido como Capitão Meteoro.

Em 1994, uma nova revista do herói é publicada no país -  As Novas Aventuras do Speed Racer.  pela Editora Escala. A revista trazia histórias de uma publicação americana e era baseada no desenho animado New Adventures of Speed Racer (1993), produzida pelo estúdio Murakami-Wolf-Swenson (atualmente chamado Fred Wolf Films Dublin).

As revistas da Now Comics e da Editora Escala

Card colecionável do crossover de Speed Racer e Ninja High School.
  • A revista da Editora Escala teve apenas duas edições (das oito originais americanas), e a série animada nunca foi exibida no Brasil.
  • O reboot da Tatsunko, lançado em 1997, foi exibido pelo Cartoon Network do Brasil como As Novas Aventuras de Speed Racer.
  • A Now Comics publicou diversas séries baseada na franquia, incluindo um inusitado crossover com Ninja High School, de Ben Dunn, um dos precursores do estilo mangá nos EUA. Ninja High teve apenas uma história publicada no Brasil, nas páginas da antologia Almanaque Supertitã da Nova Sampa. Algumas tentativas de trazer a série pro país foram feitas, porém, sem sucesso.

Em 2000, a Editora Abril arrisca mais um título do piloto: uma mini-série em três edições, escrita e desenhada pelo coreano Tommy Yune e, diferentemente das revistas anteriores, apresenta uma influência dos mangás japoneses. A mini-série foi publicada nos Estados Unidos entre 1999 e 2000 pela Wildstorm (editora fundada por Jim Lee e que foi comprada pela DC Comics - com isso, Lee tornou-se editor da DC) e contava o histórico da equipe Go. Uma versão encadernada da mini-série recebeu o nome de Born to Race. Yune publicou outra história de Speed Racer, desenhada pela americana Jo Chen, e que não publicada no Brasil: a mini-série Racer-X, que contava do ponto em que o Rex Racer, irmão de Speed, conheceu Kabala, o príncipe de Kapetapek e se tornou o corredor e agente secreto Corredor X. A Now Comics já havia publicado dois títulos dedicado ao corredor mascarado. O mangá original é publicado pela primeira vez no país em 2002 pela Conrad Editora no especial "Herói.com.br apresenta Speed Racer", inspirado em uma compilação publicada pela Wildstorm e 2009 na integra pela Newpop Editora em duas edições.
                                           



.
Zillion


Em 1988, a fabricante de video games brasileira TecToy (empresa que representa a Sega no Brasil) resolve licenciar o jogo Zillion para Master System - o  jogo foi criado no Japão para promover uma pistola para o console chamada de Light Phaser. Com isso, traz para o Brasil um anime produzido pela Tatsunoko Productions e exibido no país pela Rede Globo.

Em 1990, a Editora Abril publica o álbum de figurinhas/revista em quadrinhos Operação Zillion, na revista Misto-Quente. O álbum traz uma adaptação em quadrinhos do segundo episódio do anime, inédito no país. O episódio foi vertido para os quadrinhos por Ataide Braz e Roberto Kussomoto. Apesar de inspirada no anime, a história não pode ser considerada como mangá e sim uma produção híbrida. Zillion também foi tema de duas edições da revista Passatempos da Ebal. Nessa mesma época, o Studio Velpa produzia HQs e revistas de atividades de séries de tokusatsu da Toei Company. Além do Brasil, Zillion teve quadrinhos produzidos pela Eternity dos EUA. Em 1993, a equipe criativa era formada por Tom Mason (roteiros),Harrison Fong (desenhos)  e Tim Eldred (roteiros).






zillion editora abril




zillion ebal


zillion jaspion changeman ebalzillion jaspion changeman ebal



Zillion pela Eternity Comics

Robotech


Robotech não um anime somente, mas sim junção de três animes: Macross,  Southern Cross e Mospeada. A empresa americana Harmony Gold, tomou essa decisão após ver que Macross possuía apenas 36 episódios - a série foi um sucesso e acabou ganhando um universo compartilhado nos EUA. Curiosamente, Macross passou no Brasil como Guerra das Galáxias, pela CNT/Gazeta.

Entre 2003 e 2004, a Panini Brasil publicou uma revista dedicada a  Robotech, mesmo que a série não estivesse sendo mais exibida no país. A revista durou 12 edições (e uma edição encadernada), e publicou histórias de duas revistas da Wildstorm: Robotech e Robotech: Love & War, ambas com seis edições. e contava com  a participação de artistas influenciados pelos mangás, como Adam Warren e os já citados Tommy Yune e Jo Chen. Na mesma época, a editora publicou as mini-séries Transformers e Transformers Armada da Dreamwave, que também apresentavam influência dos mangás. Nos EUA, Robotech também teve crossover com  Ninja High School (por Ben Dunn) e Voltron (por Tommy Yune), uma outra série americana montada com dois animes: Beast King GoLion and Armored Fleet Dairugger XV.





Digimon




Em 2001, a Abril Jovem publicou a revista Quadrinhos Digimon, publicando um manhua (nome dado aos quadrinhos da China e de Taiwan) por Yu Yuen Wong, no mesmo ano, Daniel HDR,  havia desenhado Digimon para a americana Dark Horse.



Gatchaman


Conforme o post sobre as adaptações da Gold Key, Gatchaman ficou conhecido no ocidente como Batttle of Planets, No Brasil, foram exibidas duas versões americanas de Gatchaman: uma da Saban (mesma empresa responsável pelos Power Rangers) e a versão dos anos 70 da Sandy Frank.

Em 2004, a Mythos Editora publicou um inusitado crossover do grupo com a Witchblade: o encontro teve capa de Alex Ross e foi produzido por Munier Sharrieff (roteiros) e as irmãs Christina Chen e Jo Chen (desenhos). O encontro foi publicado no ano anterior pela Top Cow.
g-force gatchaman força g batalha dos planetas witchblade




Agradecimentos a Toni RodriguesAtaide Braz e Fabio Reis (no grupo dedicado a revista Animax).

Whiland International S.A.


Entrevista: Fernando Ikoma

Speed Racer no Jbox

Zillion no Jbox



Robotech no Jbox


Age of Fake manga



Wikipédia - Speed Racer- American comic adaptations


Master System completa 20 anos de vida no Brasil

Guerra das Galáxias no Jbox

Robotech/Voltron

Wikipédia: Robotech_(comics)


Revistas hibridas 3 - Misto Quente


Editora Abril - 60 Anos Bem Contados: 1971-1980 (Parte 2 de 3)


Num mês de dezembro distante...



Colecção de revistas de Speed Racer


Grand Comics Database - Speed Racer (mini-série)


Speed Racer: Born to Race

Wkipedia - Cesar Civita

Grand Comics Database - Speed Racer


Editora Mythos revela novidades da Top Cow Comics

G-Force no Guia dos Quadrinhos


Jiban - da TV para você - Superxis Nº1 - Abril de 1992

G-Force encontra com Witchblade

Zillion no ComicVine

Especial Volta ao Tempo: os Anos 70

Inducks Brasil - Extraducks!

Age of fake manga

5 comentários:

  1. Ótimo post! Não conhecia nenhuma dessas HQs. Fiquei curiosa pra ler, especialmente as do Speed Racer e do Zillion.

    ResponderExcluir
  2. Sempre achando fatos e histórias quase esquecidas dos quadrinhos. Muito bom!

    ResponderExcluir