Marcadores

domingo, 3 de agosto de 2014

As Eras dos Quadrinhos nos Estados Unidos

Esse texto trata das Eras dos Quadrinhos nos Estados Unidos, sobre a origem dos quadrinhos, os pesquisadores ainda não chegaram a um consenso, entre os pioneiros estão: Our House In Town de William Heath (1825), Les Amours de monsieur Vieux Bois de Rodolphe Töpffer (1827), Max und Moritz de Wilhelm Busch (1865) e Nhô-Quim, ou Impressões de uma Viagem à Corte de Angelo Agostini (1869).


Era de Platina 




Período do surgimento das tiras de jornal, em 1896, o americano  Richard Felton Outcault lança o cartoon Yellow Kid no New York Journal de  William Randolph Hearst, inicialmente, um cartoon de página inteira, no ano seguinte, é lançada no mesmo jornal, a tira The Katzenjammer Kids (Os Sobrinhos do Capitão) de Rudolph Dirks e Harold H. Knerr,


em 1902, Felton lança a tira Buster Brown no New York Herald, em 1915, Hearst cria a King Features Syndicate, uma empresa responsável pela distribuição de tiras, passatempos e outro materiais para jornais (a esse tipo de empresa da-se o nome de syndicate, erroeamente traduzido como sindicato),  William Randolph Hearst já vendia materiais para outros jornais desde 1895, com o tempo, as tiras passaram a ser separadas por dois formatos distintos: as diárias, publicadas em três ou quatros horizontais, impressas preto e branco de segundo a sábado e dominicais, publicadas em meia página ou página inteira de um suplemento em formato de tabloide e impressos em cores, suplementos dominicais já existiam desde  meados do século XIX, Joseph Pulitzer criou em 1894, um suplemento de quadrinhos colorido, a Hearst Corporation, já publicava desde 1896, a revista de variedades The American Weekly.


Tiras de aventura e os comic books





Em Outubro de 1928, Tarzan personagem oriundo dos pulps (que eram espécies de folhetins ilustrados que surgiram no final do século XIX) ganha sua versão em tiras diárias produzidas pelo ilustrador Harold “Hal” Foster. No ano seguinte, mais um personagem dos pulps é adaptado para as tiras de jornal: Buck Rogers, de Philip Francis Nolan que veio da novela Armageddon 2419. Anthony Rogers, o nome original do personagem, foi alterado para “Buck” Rogers. Nas páginas de Wash Tubbs, Captain Easy começa a aparecer.1 Graças à sua popularidade, Wash Tubbs deixa a tira e essa muda seu nome para Captain Easy, Soldier of Fortune em 1933. O mesmo se deu com Thimble Theater, de Elzie Crislie Segar. A introdução do marinheiro Popeye fez que a tira mudasse de nome e tivesse o tom mais voltado para a aventura. Ainda em 1929, a editora Dell lança uma revista chamada de The Funnies, que consistia de um tablóide com reimpressões das tiras dos jornais. Em 1930, Mickey Mouse, surgido em animações também ganha as suas tiras de jornal, assinadas por Walt Disney e Ub Iwerks, logo em seguida assumidas por Floyd Gottfredson, em 1931, a David McKay Publications publicou a primeira revista em quadrinhos do Mickey, trazendo reimpressões dos jornais.

Em 1933, o vendedor Max Gaines, George Janosik e Harry Wildenberg lançam pela Eastern Color Printing, a revista Funnies on Parade, a publicação também traria reimpressões, mas inovou no formato: um meio tablóide. Desta maneira, as revistas passaram a ter 64 páginas, ao invés de 16.


Ainda em 1933, surge Detective Dan, Secret Operative nº. 48, da Humor Publications, nela surge a primeira série criada exclusivamente para uma revista em quadrinhos.  A revista, contudo, não teve outra edição. Criado por Norman Marsh, o detetive Dan Dunn era um pastiche de Dick Tracy (de Chester Gould)  e passou a ser publicado como tira de jornal distribuída pelo Publishers Syndicate, a tira foi publicada até 1943 e adaptado para Big Little Books (livrinhos ilustrados que  no Brasil por causa de seu formato peculiar, ficaram conhecidos como “tijolinhos”), radionovela e contos publicados em revistas pulp.


Em 1935, surge a National Allied Publications de Malcolm Wheeler-Nicholson. Sua primeira publicação foi a revista New Fun: The Big Comic Magazine #1, que foi publicada no formato tablóide. As suas  primeiras quatro edições foram editadas por Lloyd Jacquet e em sua sexta edição  surge Henri Duvall, de Jerry Siegel (roteiro) e Joe Shuster (desenho). Na edição seguinte, a revista passa a se chamar More Fun Comics. E ainda em 1935, surge a revista New Comics.

Em 1936, Will Eisner e Jerry Iger criam o estúdio Eisner & Iger que atuava tanto como syndicate quanto na produção de quadrinhos para as editoras Fiction House, Fox Featury Syndicate e Quality Comics.


Era de Ouro das revistas em quadrinhos (1938-1945)




Normalmente, a Era de Ouro é contada de 1938 a 1955, porém, alguns pesquisadores resolveram dividir o período em dois.

O início da Era de Ouro é marcado pela publicação de Action Comics #1 da National, onde estréia o Superman de Jerry Siegel e Joe Shuster e o mago Zatara (que era mais um pastiche de Madrake, criado por Lee Falk para as tiras). Ainda nesse mesmo ano surge a All-American Publications de Max Gaines e Jack Leibowitz, uma das companhias que mais tarde integraria a DC Comics.

Nesse mesmo ano, a Dell forma uma parceria com a Western Publishing e conseguem a licença de diversas franquias publicadas pelo selo Dell Comics, como Walt Disney, Warner, MGM, Zorro, Lone Ranger e Tarzan.

Em 1939, é publicada a revista Marvel Comics #1 da Timely Comics de Martin Goodman, produzida pelo estúdio Funnies, Inc. de Lloyd Jacquet e capa do ilustrador pulp Frank R. Paul.  Nela são publicados os personagens Tocha Humana de Carl Burgos, Namor de Bill Everett e Ka-Zar de Bob Byrd. Ka-zar foi adaptado por Ben Thompson, já que não era um personagem novo mas sim um tarzanide criado em 1936 para uma revista pulp própria da Red Circle, a empresa anterior de Goodman.  O nome Marvel já havia sido usado por Goodman em revistas pulp. Ainda em 1939, surge Batman de Bob Kane publicado em Detective Comics #27 e surge o Capitão Marvel de Bill Parker e C.C. Beck, no segundo número da Whiz Comic, da Fawcett.

Em 1941, durante a Segunda  Guerra mundial, os super-heróis passam a combater o Eixo. Surge então o Capitão América de Joe Simon e Jack Kirby. Apesar de ser o mais icônico dos personagens criados durante aquele conflito, ele não foi o primeiro herói patriota, já que um ano antes, a MLJ (atual Archie), lançou Shield (Escudo,  no Brasil) de Harry Shorten e Irvy Novick. Também surge a Mulher-Maravilha de William Moulton Marston, publicada pela primeira vez em All Star Comics #8.

Em 1944, Max Gaines funda a Educational Comics (EC). A sua primeira publicação foi  Picture Stories from the Bible.

Na Era de Ouro também existiram republicações de tiras de jornal, mas com o tempo a demanda exigia mais em mais material inédito. Com isso, o comic book foi criado, com histórias inéditas. A gigante Dell, por exemplo, se notabilizou por histórias  do Pato Donald e Tio Patinhas produzidas por Carl Barks, que outrora tinha sido animador da Disney.

Interregno ou Era de Plutônio (1946-1955)
Weird Science #10, EC Comics, 1951

Interregno deriva da palavra latina Interregnum (entre reinos), trata-se do período intermediário entre a Era de Ouro e a Era de Prata. O período surge após o fim da II Guerra.

Houve um aumento de histórias de guerra e ficção científica (podendo ser histórias espaciais ou envolvendo a energia atômica), faroeste, romance, crime e terror. Em 1946, a All-American se funde a National.  Anos mais tarde, a editora passaria a ser conhecida como DC Comics. Em 1947, morre Max Gaines e a direção da EC é assumida pelo seu filho, William, que em 1949  muda os rumos da editora drasticamente, começando a publicar ficção científica e (principalmente).


Em 1950, a St. John Publications publica uma candidata a primeira graphic novel: It Rhymes with Lust,  escrita por by Arnold Drake e Leslie Waller (assinado como se fosse apenas um autor, "Drake Waller"), ilustrado por Matt Baker e arte-finalizado por Ray Osrin, logo em seguida, a editora publica The Case of the Winking Buddha, escrito pelo romancista pulp Manning Lee Stokes e ilustrado por Charles Raab.


                                     

                             

A Timely muda seu nome para Atlas em 1951 e em 1953 deixa de publicar seus super-heróis,  investindo em outros gêneros.

Em 1952, surge a satírica  revista Mad da EC, editada por Harvey Kurtzman. Em 1953, o Capitão Marvel deixa ser publicado, após um longo processo de plágio pela National, que alegava que o herói era uma cópia do Superman (esse não foi o único caso, a Fox Feature Syndicate também foi processada por conta de seu herói WonderMan, criado por Will Eisner).

No Reino Unido, a Família Marvel era bastante popular. Ficando sem material para a publicação foi criado  por Mick Anglo Marvelman (e as devidas contrapartes dos personagens secundários). No Brasil, o personagem ficou conhecido como Jack Marvel e dividia as páginas com a família Marvel em revistas da RGE.

Em 1954, é publicado o livro Seduction of the Innocent, de Fredric Wertham, No livro, o psicólogo declara que as histórias em quadrinhos desviavam os jovens americanos. O principal alvo foi a EC Comics.  William Gaines chegou a ir a senado americano para defender as suas revistas, mas acabou se desgastando,  As editoras acabam criando o Comics Code Autorithy, um conjunto de regras de autocensura. Várias editoras acabaram fechando as portas. A própria EC desiste de seus títulos de terror e ficção científica e se foca apenas na Mad, inclusive se submetendo ao Comics Code.  Em 1955, após 23 edições, a editora resolve mudar o formato da revista, o formato americano dá lugar ao "magazine". Sendo uma magazine, a revista passou a não ser associada com as revistas em quadrinhos (comic books) e não usaria mais o Comics Code (embora na prática as editoras não fossem obrigadas a usar tal código).  Foi o caso da Dell, que expandia mais ainda os títulos licenciados. Outras editoras acabaram falindo ou deixando de trabalhar com quadrinhos e suas revistas entraram em domínio público. A DC segue publicando super-heróis (como o Superman, Batman e Mulher Maravilha), porém alguns deles acabam sumindo. Como foi o caso do Flash, Lanterna Verde, Átomo e Gavião Negro.

Era de Prata das revistas em quadrinhos (1956-1970)


Julius Schwartz sugere a recriação dos heróis que deixaram de ser publicados, mas desta vez, com o enfoque na ficção científica. O primeiro reformulado foi  o Flash,  pelo próprio criador Gardner Fox e desenhado por Carmine Infantino em Showcase #4 (Outubro de 1956). Lanterna Verde por John Broome e Gil Kane em Showcase #22 (Outubro de 1959), inspirado em Lensman de E.E. Doc SmithÁtomo (versão que ficou conhecida no Brasil como Eléktron) por Gardner Fox e Gil Kane em Showcase #34 (Outubro de 1961) e Gavião Negro por Gardner Fox (que também criou a primeira versão) e Joe Kubert.

Em 1959, a revista The Flash é lançada, sua numeração começa da edição #105, continuando a numeração da revista Flash Comics (publicada em fevereiro de 1949). Na edição 123 (Setembro de 1961), Fox escreve a história Flash of Two Worlds (desenhada po Carmine Infatino), estabelecendo que os dois Flashs são de universos paralelos e distintos. Em The Brave and the Bold #28 (Fevereiro-Março de 1960), Fox une os principais heróis da editora em grupo chamado Liga da Justiça da América.  O grupo é uma releitura de outro grupo da Era de Ouro, a Sociedade da Justiça da América.

O surgimento do grupo foi um sucesso e no ano seguinte, a Marvel Comics (nome com o qual a editora de Martin Goodman passou a ser conhecida) lança o Quarteto Fantástico, criado por dois veteranos da Era de Ouro: Stan Lee (roteiro) e Jack Kirby (desenhos).  Assim como os heróis da DC, o Quarteto Fantástico também recicla ideias,  o grupo guarda semelhanças com Os Desafiadores do Desconhecido (criados por Jack Kirby  e Dave Wood para a DC em 1957). No Quarteto Fantástico há um novo Tocha Humana (Johnny Storm), a Garota Invisível (cujo exemplo mais antigo é o Homem-Visível de HG Wells), o Sr. Fantástico (um cientista com poderes elásticos, que remetem a Homem-Borracha e Homem-Elástico) e o Coisa (que remete aos monstros criado por Stan e Jack Kirby entre os anos 50 e 60).

Em 1962, surge o Homem-Aranha de Stan Lee e Steve Ditko.  O herói se destacou por apresentar problemas pessoais e uma identificação com os leitores. Em 1963, surgem os X-Men, um grupo de super-heróis adolescentes mutantes que eram comandados por um telepata. Nas páginas de X-Men surge uma nova versão de Ka-Zar.

A Western desfaz a parceria com a Dell e cria o selo Gold Key Comics. 

Em Justice League of America #21-22 (Agosto-Setembro de 1963), a Liga da Justiça se encontra com a Sociedade da Justiça. Logo, a Marvel também traria dois dos seus heróis da Era de Ouro de volta: o Capitão América e Namor. Os personagens não faziam menção de terem sido aliados no grupo Esquadrão Vitorioso (All-Winner Squad) em 1946, isso só seria revisitado nos anos 70 (quando é criado um grupo durante a Segunda Guerra Mundial, os Invasores (Invaders).

Em 1964, a editora Warren Publishing, de James Warren, inicia a publicação de quadrinhos em formato magazine. A editora é vista como a sucessora espiritual da EC pré-código, já que investiu nos gêneros terror e ficção científica. Outro indicativo foi a presença de autores que já haviam publicado pela editora da Gaines.

Steve Ditko sai da Marvel em 1966 e John Romita assume seu lugar nas histórias do Homem-Aranha, Ditko volta a trabalhar na Charlton (onde reformula o Besouro Azul, um herói originalmente publicado pela Fox, além de criar Questão). Também faz trabalhos para a DC (Creeper, em 1968), e escreve e ilustra para a Warren.

Em Marvel Super-Heroes #12 (Dezember 1967), surge o Capitão Marvel da Marvel. Mas o personagem dessa vez era um alienígena da raça Kree, tendo nada em comum com seu homônimo da Era de Ouro.


Era de Bronze das revistas em quadrinhos (1970-1985)



A Era de Bronze é marcada pelas temáticas mais adultas e a fragilização do Comics Code, Robin vai para a faculdade e Batman passa a ter histórias mais sombrias produzidas por Dennis O'Neil (roteiros) e Neal Adams),4 . A Marvel inicia a publicação de Conan, O Bárbaro, baseado em contos de Robert E. Howard. Uma revisão no Comics Code passa a permitir histórias de terror.

A Marvel lança vários magazines através da Curtis, que era sua afiliada e distribuidora. Martin Goodman, que havia saído da Marvel em 1972, lança a editora Atlas/Seabord, fazendo referência ao nome da Marvel nos anos 50.

Jack Kirby volta a trabalhar na DC de 1971 a 1975. Lá cria o Quarto Mundo (onde surgiria o vilão Darkseid), Kamandi, The Demon e Omac. Em 1973, A DC resolve relançar o Capitão Marvel, porém, como a Marvel possuía um herói de mesmo nome sendo publicado, a DC perdeu o direito de ter uma revista chamada "Captain Marvel". O personagem passou a ser publicado na revista Shazam e o herói passou a integrar um universo paralelo: a Terra S. Gwen Stacy, namorada do Homem-Aranha é assinada pelo Duende Verde.

Também em 1973, Fredric Wertham publica Worlds of Fanzines, livro que mostra os benefícios dos fanzines, ironicamente, os fanzines foram criados por fãs de quadrinhos e ficção científica.


Entre 1975 e 1978, ocorreu a DC Explosion, uma campanha de marketing que pretendia aumentar o número de títulos e histórias. Durante esse período, a DC lançou nada menos 57 novas revistas. Entretanto, eles não foram bem-sucedidos e a editora foi obrigada a demitir funcionários. E o evento começou a ser chamado de “DC Implosion”.


Em 1978, Will Eisner lança "Um Contrato com Deus", que embora não tenha sido a primeira graphic novel, ajudou a popularizar o novo formato. Originalmente era usado o para definir histórias fechadas, permitindo que as histórias em quadrinho ganhassem cada vez mais espaço em livrarias.

 Em 1982, a revista britânica Warrior inicia uma nova série do Marvelman, com uma temática mais adulta que as histórias originais, os roteiros ficam a cargo do desconhecido Alan Moore.

Era de Ferro ou Era das Trevas (1985-1992)




A editora Eclipse resolveu publicar Marvelman de Alan Moore no mercado americano, porém, por conta dos direitos da Marvel, o personagem passa a ser conhecido como Miracleman. A DC inicia a publicação da maxi-série Crise nas Infinitas Terras, escrita por Marv Wolfman e desenhada por George Pérez. A história reúne as várias terras paralelas da editora (naquele momento, a editora tinha diversas terras paralelas que abrigavam heróis da Era de Ouro, versões vilanescas da Liga da Justiça e heróis comprados de outras companhias).

Após o fim de Crise, a editora passou a ter um universo coeso e John  Byrne é contratado para reformular o Superman. Frank Miller (aclamado pelas histórias do Demolidor e que já havia feito no início daquele ano de 1986 a cultuada minissérie O Cavaleiro das Trevas) começa a escrever o arco “Batman Ano Um”, para os desenhos de David Mazzucchelli.  Alan Moore, depois de seu sucesso no título Monstro do Pântano começou a escrever uma série com os personagens da Charlton. O projeto foi vetado, já que a DC tinha planos para tais personagens. Ele então criou pastiches dos mesmos e junto com Dave Gibbons produz a elogiada maxi-série Watchmen

Era Barroca ou Era Image (1992-1998)



Em 1992, surge a Image Comics, fundada pelos desenhistas Rob Liefield, Jim Lee, Todd McFarlane, a editora ficou conhecida pelo excesso no estilo dos desenhistas e histórias que apelavam para violência (uma tentativa frustrada de imitar as histórias de Alan Moore e Frank Miller).

Com o sucesso da chamada “invasão britânica” um selo de quadrinhos mais adultos foi criado na DC, a Vertigo, capitaneados pela editora Karen Berger que começou atrair talentos do outro lado do oceano para a editora.  Títulos mais maduros que não usavam o código como Sandman de Neil Gaiman e o Monstro do Pântano migraram para esse selo. E outros trabalhos originais começaram a ser publicados, como Os Invisíveis, de Grant Morrison e Preacher, de Garth Ennis.

Em 1993, a Dc lança o evento a Morte do Superman, que foi inclusive noticiado em telejornais, criando uma comoção e publicidade para a editora. No ano seguinte surge a mini-série Zero Hora, que remete a Crise nas Infinitas Terras, por tentar a acertar novamente a cronologia da editora.

Em 1996, a Marvel lança o evento Heróis Renascem.  Nele são criados reboots dos heróis principais da casa (Quarteto Fantástico, Capitão América, Hulk, Homem de Ferro e Os Vingadores) que aparecem em outra realidade. Para isso, a editora contrata antigos colaboradores, os fundadores da Image: Jim Lee e Rob Liefield. A iniciativa que originalmente  foi chamada de “Unfinished Business” não dá certo e com o tempo, os personagens voltam ao que eram anteriormente.


Era Dinâmica (1998-2004)




A Marvel Comics lança os selos adultos Marvel Knight e Marvel Ultimate, trabalhos de autores britânicos como Grant Morrison e Warren Ellis dão um novo status para os quadrinhos de super-heróis. Em  2001, a Marvel abandona  definitivamente o Comics Code.

Era Moderna (2004-atualmente)




Em 2004, Bill Jemas deixa cargo de editor-chefe da Marvel em seu lugar entra o desenhista Joe Quesada, que tinha sido responsável pela criação e supervisão do bem sucedido selo Marvel Knights.  Na DC, Dan Didio torna-se editor-chefe e o roteirista Geoff Johns passa a ganhar cada vez mais espaço na DC. Os trabalhos de Johns são marcados pela nostalgia. A  DC tenta novos reboots e a Marvel começa uma bem-sucedida trajetória nos cinemas.

Notas

1 Curiosamente, 1929 também foi o ano da estréia do aventureiro Tintin do belga Hergé.
2  O uso de escudos era recorrente na figura da Columbia, uma das personificações dos Estados Unidos.

3 Para alguns pesquisadores, o marco da Era de Prata pode ter sido o surgimento do herói The Avenger de Gardner Fox e Dick Ayres (Março de 1955), publicado pela Magazine Enterprises
4 Uma Mudança no estilo do Batman já havia sido tentado em 1964, contudo, o estilo ainda variava, sobretudo por conta do seriado estrelado por Adam West (1966-1969)

Agradecimentos ao Ben Santana na pesquisa e elaboração do texto.
Fontes e referências

Codespoti, Sergio. Eclipse Quadrinhos Especial Kaboom - Surgem os Super-heróis páginas 10 a 13. Editora Eclipse, 2005

Jones, Gerard. Homens do Amanhã - geeks, gângsteres e o nascimento dos gibis.  Conrad Editora, 2006

 Morrison, Grant. Superdeuses: Mutantes, Alienígenas, Vigilantes, Justiceiros Mascarados e o Significado de Ser Humano na Era dos Super-Heróis, Seoman, 2012,

 Howe, Sean. Marvel Comics : a história secreta, Leya Brasil, 2013

Ota e Francisco Ucha  (Novembro de 2009). Jornal da ABI #348 - A Cronologia dos Quadrinhos - Parte 1

Ota e Francisco Ucha (janeiro de 2011). Jornal da ABI #362 - A Cronologia dos Quadrinhos - Parte 2


HQ - O Mundo Encantado Dos Quadrinhos, acervo da Biblioteca Nacional, Moacy Cirne, 2003


 John Byrne. As Origens do Super-Homem. Super-Homem (segunda série) #1-5 Editora Abril novembro de 1996 - março de 1997, versão traduzida de texto publicado em The Greatest Superman Stories Ever Told, 1987, DC Comics

Dennis Dooyle.  Homem do Amanhã e os Meninos de Ontem  Super-Homem  (primeira série) #24-25 Editora Abril, outubro- novembro de 1996, adaptado de texto publicado em Superman at Fifty: Persistence of a Legend,  Diane Pub Co (maio de 1987)


DC Comics, Uma Retrospectiva - Parte 1: A era de platina

DC Comics, Uma Retrospectiva - Parte 2: A era de ouro

DC Comics, Uma Retrospectiva - Parte 3: A Era de Plutônio

DC Comics, Uma Retrospectiva - A era de bronze

Cronologia - HQManiacs

Pesquisar quadrinhos: uma tarefa ingrata e desanimadora

Batman - The "New Look" 1964-68

What should we call this age of comics?


Golden Age of Comic Books

Silver Age of Comic Books

Golden age and Silver age rare comics


Que Era que era?

American comic book

Sunday magazine

Comic strip

King Features Syndicate

Quando a nomenclatura faz a diferença

Fredric Wertham manipulou dados do livro Sedução do Inocente

Review - Seduction of the Innocent

Conceitos fundamentais da história em quadrinhos : o primeiro século de produção


Estética, tradição e estilo nos quadrinhos : a Kunstwollen da grande depressão e do american way of life

The Ages of Super Hero Comics - TvTropes

EC Comics - TvTropes

Early US Newspaper Comics - Lambiek

DC Timeline 1835-1936

Super-heróis e superpoderes na Ficção Científica

Cronologia dos Comic Books

Cronologia das Histórias em Quadrinhos (37)


American Comic Book Chronicles: The 1950s - Preview

American Comic Book Chronicles: 1960-64 - Preview

American Comic Book Chronicles: 1965-1969 - Preview

American Comic Book Chronicles: The 1970s - Preview

American Comic Book Chronicles: The 1980s - Preview

How Censors Killed The Weird, Experimental, Progressive Golden Age Of Comics

Lançamento do livro Quadrinhos Através da História – As Eras dos Super-Heróis + Palestra

5 comentários:

  1. Não considero que o período de 1946 a 1955 seja um "interregno". Até 1954 ou coisa assim, as vendas de quadrinhos aumentavam a cada ano! Só que os super-heróis estavam sendo abandonados enquanto o público procurava gêneros (ligeiramente) mais maduros, como o material policial da Crime Does Not Pay, o terror da Tales From the Crypt, a FC mais sofisticada da Weird Science e até o humor da Mad (e respectivos "clones" de todas essas revistas, claro!).

    A perseguição dos quadrinhos que culminou com o surgimento do Comics Code e, paralelamente, as investigações das ligações entre o crime organizado e as distribuidoras de revistas que aconteceram em paralelo - era ESSE o interesse do Kefauver! - derrubaram as vendas dos quadrinhos em meados da década de 50 e aniquilaram esse material marginalmente mais maduro (exceto a Mad, que deixou de ser uma revista em quadrinhos). Mas foi só aí que terminou a era de ouro, porque ela ainda era bastante "dourada" para as editoras até meados dos anos 50!

    É preciso ter uma visão muito centrada em super-heróis para implicar que esses anos de decadência dos super-heróis não eram parte da era de ouro! Os quadrinhos ainda estavam em uma era de ouro na época, só os super é que não...

    De resto, concordo com tudo até o final da era de bronze e início da era do ferro/das trevas. Depois disso, ainda acho muito cedo para precisar uma divisão em eras, embora na minha visão pessoal a Era das Trevas tenha ido até o final da década de 90, quando uma mudança de paradigma ao mesmo tempo enterrou de vez o Comics Code (já era hora!), direcionou a Image para material mais alternativo e menos estúpido e transformou as velhas séries de super-heróis em uma sucessão de relançamentos e eventos caça-niqueis.

    ResponderExcluir
  2. O Interregno ainda é visto como parte da Era de Ouro, quanto as divisões da Era Moderna, por enquanto, só o Greg Burga tentou fazer, pode ser alguém as mudem.

    ResponderExcluir
  3. A "Era de Ferro" é mais conhecida como "Era de Cobre", era das trevas imho seria a ascensão da image :P http://www.copperagecomics.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentários, depois da Era de Bronze aparecem diversas subdivisões, ainda não visto cobre, já vi até latão, alguns até consideram o interregnum como a verdadeira Era das trevas, por causa das histórias de terror.
      http://hqqisso.com.br/as-eras-dos-quadrinhos-em-imagens/


      Excluir
    2. A Image acabou virando mais uma editora para autores independentes publicarem.

      Excluir