Pular para o conteúdo principal

Bruceploitation nas revistas em quadrinhos brasileiras



Bruceploitation Brucesploitaition é um termo usado para descrever filmes de baixo orçamento, criados para aproveitar o sucesso de Bruce Lee (1940 –1973). O termo, porém, também pode ser aplicado para as histórias em quadrinhos.



Shang-Chi, O Mestre do Kung-Fu

Shang-Chi, o Mestre do Kung Fu, surgiu em Special Marvel Edition #15 (Novembro de 1973), da Marvel Comics. Escrita por Steve Englehart e desenhada por Jim Starlin, o herói foi criado pela dupla , inspirado no sucesso da série Kung Fu (1972-1975), estrelada por David Carradine e ambientada no velho oeste. Carradine interpretava o sino-americano Kwai Chang Caine, os dois tentaram convencer a editora a adaptar a série para os quadrinhos, contudo, a mesma  pertencia a Warner Bros., que desde 1969 havia se fundido com a principal concorrente da Marvel, a DC Comics. Os autores resolveram criar um novo personagem, mesmo assim, Roy Thomas sugeriu a editora usar o licenciamento para promover o novo personagem. Os autores então fizeram Shang-Chi ser filho de Fu Manchu, um vilão chinês criado pelo escritor inglês Sax Rohmer (1883-1959) em 1913, Manchu é um dos principais representantes do chamado "perigo amarelo (yellow peril). A própria Marvel já possuía vilões chineses inspirados em Fu Manchu: Mandarim e Garra Amarela (Yellow Claw no original, não por acaso, é o título de um romance de Rhomer onde há outro vilão oriental, Mr. King).

De acordo com a esposa de Bruce Lee, Linda, ele planejou uma série de faroeste protagonizada por um chinês com o título provisório de "The Warrior" e apresentou a Warner Bros.,  mas o estúdio teria ficado receoso e não aceitou ele como protagonista e que esse projeto virou a série Kung Fu.  Em 2015, a filha do ator, Shannon Lee se associou com o canal Cinemax (canal da rede HBO, subsidiária da Warner) para produzir "Warrior" baseada nos manuscritos deixados por ele. Curiosamente, em 1978, David Carradine estrelou o filme Circle of Iron, um filme que Bruce Lee fez o argumento com James Coburn e Stirling Silliphant, mas que foi engavetado com a seu falecimento. 

Em 1987 no filme Kung Fu: The Next Generation, Brandon Lee, filho de Bruce Lee, interpreta Chung Wang, filho de Kwai Chang Caine, no ano seguinte, foi apresentado o piloto de Kung Fu: The Next Generation, uma série de TV que seria estrelada por David Darlow como Kwai Chang Caine, neto do Caine original e Brandon Lee como seu bisneto, Johnny Caine, Carradine aparece como um fantasma para seu neto e bisneto, o piloto não foi bem sucedido e a série não foi produzida.



A editora, porém,  também usou outras criações de Rohmer: Fah Lo Suee (filha de Fu Manchu e irmã de Shang-Chi), os Si-Fans (um grupo de assassinos de Fu Manchu), o comissário de polícia inglês Sir. Denis Nayland Smith, que nessa versão era um agente do MI6  e o Dr. Petrie, foram criados novos personagens: Black Jack Tarr (criado por Englehart e Starlin) e Clive Reston (criado por Doug Moench e Paul Gulacy). Reston era inspirado em James Bond (o agente 007 do MI6, criado por Ian Fleming).




A série Kung Fu ainda teve sua parcela de influência na criação. Após duas edições, a revista passou a ser chamada de The Hands of Shang-Chi: Master of Kung Fu. No número 18 da revista, o personagem passou a ser desenhado por Paul Gulacy, ainda roteirizado por Steve Englehart, a edição 20 teve roteiros de Gerry Conway e Doug Moench em Giant-Size Mestre de Kung Fu #1,  Moench fez o roteiro sozinho, ambos continuariam a parceria em Master of Kung Fu 21.


Gulacy deu um tom cinematográfico para as histórias, inicialmente, Gulacy seguiu o padrão estabelecido por Starlin, mas logo Shang-Chi passou a ter as feições inspiradas em Bruce Lee, uma vez que Gulacy teve contato com o filme Operação Dragão (curiosamente, a esposa de Lee diz que a série de TV Kung Fu teria sido criada por Lee, onde ele pretendia ser o protagonista). Em Master of Kung Fu #19 (Agosto de 1974), Shang-Chi conhece o lutador Lu Sun (ou Lun Sung), que se parecia com David Carradine, apesar de ostentar um bigode. Com o sucesso de Shang-Chi e o interesse por artes-marciais, a editora lança a revista The Deadly Hands of Kung Fu (1974-1977), publicada pela Magazine Management Company (uma editora de Martin Goodman, mesmo dono da Marvel), a revista era em formato magazine e impressa em preto e branco (graças a esse formato, não precisava ser sujeitada ao selo Comics Code), e trouxe histórias de Shang-Chi, Punho de Ferro (criado por Roy Thomas e Gil Kane, inspirado em um filme de artes marciais e em um herói da Era de Ouro, Amazing Man, personagem com origem no Tibet criado por Bill Everett, o criador do Namor), e o Tigre Branco (criado por Bill Mantlo e George Pérez), além de histórias que envolviam artes marciais sem personagens fixos, o coreano Sanho Kim, um dos primeiros artistas de manhwa (quadrinho coreano) que atuou por um tempo no Ocidente, desenhou algumas dessas histórias.












The Deadly Hands of Kung Fu#16 (Julho de 1975) 


The Deadly Hands of Kung Fu#25 (Junho de 1976) 




A revista trazia matérias de filmes, estilos, atores e séries de artes marciais. Frank McLaughlin, cocriador do Judomaster da Charlton (atualmente pertencente a DC), ilustrou artigos sobre caratê, kung fu e aikido e histórias de Shang Chi, Punho de Ferro e Filhos do Tigre, além disso, McLaughlin foi praticante de judô.


A edição 4 trouxe uma matéria sobre a série de TV Kung Fu. Kwai Chang Caine aparece na capa desenhado por Neal Adams, Adams é autor das três capas anteriores, a primeira destaca Bruce Lee a segunda, Shang-Chi e a terceira, Jim Kelly, Adams ilustrou posteres de alguns filmes Bruceploitation. A edição 28 trouxe uma biografia quadrinizada de Bruce Lee, escrita por Martin Sands e desenhos de Joe Staton e arte-final de Tony DeZuniga. Na edição 20, o ator Chuck Norris é retratado na capa, desenhada por Ken Barr. Em 1987, a editora lançou a revista Chuck Norris: Karate Kommandos, baseada em uma série animada estrelada pelo ator e produzida pela Ruby-Spears Productions (uma empresa criada por ex-funcionários da Hanna-Barbera, atualmente o acervo de ambas as empresas pertence a Time Warner).
















bruceploitation neal adams bruce li
Poster do filme Bruce Lee: The Man, The Myth (1976), arte de Neal Adams.


Special Collectors Edition #1 (1975), trazendo reprints de The Deadly Hands of Kung-Fu #1-2; the Deadly Hands of Kung-Fu Special #1; e Special Marvel Edition #15, arte de Gil Kane, John Romita e Dan Adkins


Kwai Chang Caing também teve quadrinhos, mas não publicados pela DC, na revista britânica Look-In, publicada entre 1974 e 1975, essas  histórias foram ilustradas por Martin Asbury, sendo depois republicadas na Alemanha na revista Zack Comic Box #20 e seu spin-off ZACK präsentiert: Caine, der Meister des Kung Fu, Band 1.







Outra adaptação foi na revista argentina Ediciones Casco de Acero Presenta Kung Fu da Editorial MO.PA.SA, conforme comentei em outra postagem, a editora publicava quadrinhos sem licença, as histórias eram escritas por Jorge Claudio Morhain e desenhadas por seu irmão, Mario Morhain






Após perder a licença de uso dos personagens de Sax Rohmer em 1983, a Marvel ficou proibida de republicar as histórias onde esses personagens aparecem, o pai de Shang-Chi,em 1990, a editora publica The Return of Shang-Chi: Master of Kung Fu: Bleeding Black, escrita por Doug Moench e ilustrada por David Day, nela aparecem Black Jack Tarr, Clive Reston e Leiko Wu (esposa de Reston, também criada por Moench e Gulacy), em 2002, Moench e Gulacy voltam a trabalhar com o personagem na minissérie Shang-Chi: Master of Kung Fu - Hellfire Apocalypse do selo Marvel MAX. A editora traria de novo o pai de Shang-Chi, inicialmente, sem ter o nome mencionado, os Si-Fans passaram a ser ninjas Si-Fans, Fu Manchu chegou a ser chamado de Mr. Han (uma alusão ao vilão do filme Operação Dragão), além de outros nomes, recentemente foi revelado que seu verdadeiro nome era Zheng Zu e que se passava pelo verdadeiro Fu Manchu, que está morto, sua filha Fah Lo Suee é chamada de Zheng Bao Yu. Em 2015, a Marvel publicou uma versão alternativa no evento Battleworld, nela o pai de Shang Chi agora é o Imperador  Zheng Zu, o cenário é a fictícia a K'un-Lun, originalmente criada nas histórias do Punho de Ferro.



Em 2015, a editora anunciou que publicaria em 2016, quatro encadernados do Ominibus com as histórias originais do herói.


Wolverine: First Class #9 (Janeiro de 2009), desenho de Salva Espin, arte-final de Karl Kesel e cores de Wil Quintana
Em março de 2018, a Panini Comics Brasil iniciou a publicação da Coleção História Marvel  - Mestre do Kung Fu.






EBAL

Em Setembro de 1974, a EBAL lança a revista Kung Fu - a revista era inspirada na The Deadly Hands of Kung Fu, ao menos nas 4 edições inciais. Após isso, a editora perdeu a licença dos quadrinhos da Marvel. Na quinta edição, a revista passou a trazer histórias de Chun Hui, o Yang, um personagem da Charlton que era mais parecido com Kwai Chang Caine, que inclusive estreou um mês antes de Shang-Chi (tal qual a série de TV, suas histórias também eram ambientadas no século XIX) e também de Sun Yang (primo de Chun Hui, com histórias oriundas de House of Yang, que também chegou que teve quatro das suas edições originais desenhadas pelo já citado Sanho Kim, Yang aparece apenas na primeira edição). Yang não teve tanta sorte que Shang-Chi, sua revista foi cancelada em 1976, com apenas 13 edições publicadas. Na edição 6, a editora executou a mesma ideia usada em O Judoka (que durante seis edições publicou o Judomaster da Charlton), surge um novo personagem epônimo, Kung Fu, que teve as feições inspiradas em David Carradine e um kimono vermelho, idêntico ao de Shang-Chi. O personagem foi criado por Hélio do Soveral  e João Orestes de Oliveira.Nas primeiras histórias, Soveral assinou como Ell Sov, nome que também usou em Spectre, série de livros de bolso da Editora Monterrey, e eram ilustrada por José Menezes (que assinava como Joe Sesenem) e Marcio Costa (que assinava como Marc Walker). Inicialmente, as capas eram inspiradas em David Carradine, mas logo passaram a ter capas inspiradas em Bruce Lee, Jim Kelly e John  Saxon (ambos participaram do filme Operação Dragão de 1973). As revistas, porém, traziam histórias estreladas por Kung Fu (publicadas até a edição 27) e histórias de "Richard, Dragon o Dragão do Kung Fu", personagem criado por Dennis O'Neil com o pseudônimo Jim Dennis para o romance Dragon's Fists (1974) e adaptado pelo próprio  O'Neil  em título próprio (Richard Dragon, Kung-Fu Fighter 1975-1977), que também foi publicado na segunda versão da revista O Judoka (ao lado do Karate Kid, que já foi chamado de Rapaz-Caratê pela editora em histórias da Legião dos Super-Heróis). Na edição 9 (Junho de 1977) foi publicada a história "O homem que estudou com Bruce Lee", A partir da edição 28, passou a publicar as séries O Corvo (El Cuervo no original), Jeff Blake e Shi-Kai, O Rebelde da revista Kung Fu (1975-1981) da editora alemã Bastei-Verlag, produzidas pelo estúdio Selecciones Ilustradas de Barcelona, sendo desenhadas por José Ortiz, Jordi Bernet entre outros e depois distribuídas num esquema próximo ao dos syndicates.  A editora alemã também publicou Kung Fu Western (1975-1977) por John F. Beck e Al Conway, nitidamente inspirada na série de TV.







Revista alemã









A revista Kung Fu foi publicada até 1979, e durou 56 edições. Tal como em O Judoka, a revista ajudou a difundir as artes marciais no país, curiosamente, o material da Selecciones Ilustradas foi publicado na versão australiana da revista The Deadly Hands of Kung Fu da editora K. G. Murray, que também publicou as três séries da Charlton: Judomaster, Yang e House of Yang. As histórias do estúdio Selecciones Ilustradas também foram publicadas na Espanha pela editora Amaika em Kung Fu (1976 - 1981), curiosamente, a revista concorria com a revista Relatos Salvajes Judo-Karate-Kung Fu da Editorial Vértice  (1975-1979), que publicava histórias da Marvel e Richard Dragon da DC, a revista trazia capas originais e outras assinadas por Rafael López Espí (algumas releituras e outras originais),  a revista teria uma segunda versão com apenas 14 edições (1981-1982), novamente com capas de Espí.
Selecciones Ilustradas kung fu
Versão australiana da The Deadly Hands of Kung Fu, capa de Manuel Sanjulián

                                           


Revista espanhola

Relatos Salvajes Judo-Karate-Kung Fu #49, arte de Rafael López Espí










kung fu ebal bruce lee


kung fu ebal bruce lee david carradine Antonio Euzebio
Inusitado crossover de Kwai Chang Caine (David Carradine) e Bruce Lee,  Kung Fu #19 (Março de 1979)
Arte de Antonio Euzebio

A Curtis havia publicado uma capa com os dois em The Deadliest Heroes of Kung Fu #1 (1975), que continha reprints de textos publicados na The Deadly Hands of Kung Fu.


The Deadliest Heroes of Kung Fu #1 (1975)


Em Kung Fu #25 (Setembro de 1976), foi publicada a história Os Invasores publicada originalmente em House of Yang #2 (Outubro de 1975), roteiro de Joe Gill e arte de Sanho Kim.











Kung Fu #29 da EBAL


A revista ainda teve extras e edições especiais  entre 1978 e 1982, trazendo histórias de Richard Dragon, pôsteres e biografia de Bruce Lee.



richard dragon kung fu ebal


Em 1978, a EBAL lançou uma revista sobre artes-marciais chamada Dô, a revista das artes-marciais (13 edições) e o livro "Aprenda Tae Kwon-Do" do coreano naturalizado brasileiro, Woo Jae Lee (Grão Mestre responsável por introduzir o Taekwondo no Rio de Janeiro em 1972) e Luís Eugênio Bezerra Mergulhão Filho, o livro era uma encadernação da coluna de mesmo nome publicada a partir de 1975 na revista Kung Fu, uma nova edição é publicada em 1988, nessa edição, traz também lições do  do também coreano, Yong Min Kim, que ministrou aulas para policiais miliares, civis e federais.




Em 1979, é publicada a segunda versão: Dô/Kung Fu, a revista das artes-marciais (10 edições).



 Entre 1980 e 1981, foi publicada a revista Kung Fu Apresenta Aventuras Faixa Preta, que também textos sobre diversas artes-marciais, ambas as revistas também publicaram o material espanhol.





Bloch Editores

A Bloch Editores assume a licença da Marvel, ao contrário do que acontecia anteriormente, onde várias editoras negociavam títulos que não eram publicadas pela EBAL com a Apla (um grande syndicate da época). Com a licença da Bloch, outras editoras ficaram vetadas de negociar com a editora americana. Em fevereiro de 1975, é lançada a revista em formatinho Mestre do Kung Fu, trazendo histórias de Shang-Chi. A editora publicou histórias das revistas Master of Kung Fu e  The Deadly Hands of Kung Fu, além de textos e posteres. Na edição #21 foi publicada a biografia de Bruce Lee, publicada em The Deadly Hands of Kung Fu #28 (embora a capa seja oriunda da edição 17 de autoria de Neal Adams, inspirada em Operação Dragão, a capa da edição 28 foi publicada no número seguinte).  Tal como a revista americana, a Bloch publicou histórias de artes marciais  é o caso de O Órfão de Júlio Shimamoto, (um dos primeiros a produzir histórias de samurais no país) publicada em Mestre do Kung Fu #28. 
A revista durou 30 edições e foi publicada até 1978. Em 1977, a editora publicou uma revista solo do Punho de Ferro: Bloquinho Artes Marciais Apresenta Punhos de Aço - O Rei do Kung Fu, que teve cinco edições, a revista também trazia fotos e matérias sobre filmes, na segunda edição (julho de 197), foi publicada a matéria Os Ninjas, que trouxe um quadro da já citada história "The Corpse Rider" de John Warner e Sanho Kim, publicada em The Deadly Hands of Kung Fu#16 (Julho de 1975).                                                          


A pedido de Edmundo Rodrigues, o quadrinista Fernando Bonini criou a tira humorística protagonizada pelo lutador chinês Miaka, suas histórias sairam em apenas duas edições: Mestre do Kung Fu #17 (1977) e Punhos de Açõ #4 (setembro de 1977) Fonte:Listagem de trabalhos de Fernando Bonini (1ª Parte) - Worney Almeida de Souza e Edgard Guimarães, fanzine QI #151, abril/maio de 2018




The Deadly Hands of Kung Fu#16 (Julho de 1975) 

Punhos de Aço #2 (julho de 1977)


Em 1979, a Bloch perde os direitos da Marvel, que passam a ser divididos entre a Rio Gráfica Editora (RGE) e a Editora Abril. A editora lança a revista Bloquinho Artes Marciais Apresenta Histórias de Kung Fu, publicando novamente Chun Hui/Yang da Charlton. A revista durou 7 edições.

Bruce Lee marcou presença na capa da edição 3, que também trazia um poster do ator. Com a perda dos heróis Marvel, a editora também optou por publicar histórias brasileiras de títulos de personagens de terror pela Marvel: Drácula, Frankenstein, Lobisomem e Múmia Viva.






Em Capitão Mistério Histórias Reais de Drácula, estreia o personagem Bruce Ling, um bonzo chinês que fazia o papel de antagonista do Drácula, que seria seu pai. Em Capitão Mistério Histórias Reais de Drácula #12, é publicada a história A Cimitarra de Buda, nela Ling vai até a China em busca de uma lendária espada. A história foi desenhada por Antonino Homobono Baliero, e é inspirada no livro homônimo do italiano Emilio Salgari (1862-1911), publicado em 1892. Uma versão em quadrinhos do livro foi publicada no Brasil em 1950 na revista Júnior #1 da RGE, mesma revista onde estrearia o Tex Willer, a história foi publicada no ano anterior na revista italiana degli albi Salgari III Serie.

O autores cometem um erro histórico e geográfico, cimitarras são espadas presentes no Oriente Médio e na Índia muçulmana surgidas no século IX, enquanto que a história de Buda (Sidarta) é datada entre os séculos V ou IV antes de Cristo.
















Cimitarra

Em 1987 é lançada a revista Bloquinho Apresenta Clássicos das Artes Marciais (15 edições), o personagem principal é Mestre Kim, inspirado em Yong Min Kim, o mestre em artes marcias chegou a ensinar golpes de taekwondo na TV Manchete (canal de Adolpho Bloch, dono da Bloch Editores), até mesmo Mestre Kim enfrentou o Drácula em Histórias Reais de Drácula #15. Bruce Ling também foi publicado na revista, a série também teve roteiros de Antonio Krisnas, que cria para a série as Feiticeiras Xaolim, em 1990, Kim ganha uma revista própria com 9 edições: Bloquinho TV Apresenta Mestre Kim. O personagem foi desenhado por Marcello Quintanilha (que asinava como Marcelo Gaú e apresentava influências de Paul Gulacy), Antonino Homobono Baliero e Eugênio Colonnese. Alguns roteiros foram escritos pelo próprio Kim, por Antonio Ribeiro, que também assinava como Tony Carson, por Krisnas e Luiz Antonio Farah de Aguiar. Ribeiro era mais conhecido pelos livros de bolso de faroeste para a Monterrey, uma editora brasileira fundada pelos espanhóis Luis de Benito e Juan Fernandes Salmeron.  e pela criação do segundo Chacal, personagem criado para a Vecchi para substituir o italiano (originalmente chamado de Judas). Para esse novo Chacal deu o nome de Tony Carson (pseudônimo de Ribeiro nos livros de bolso). Na edição 2, na história A Espada da Loucura, escrita por Luiz Antonio Aguia e desenhada por Baliero e na história Leilão do Mal, também desenhada por Baileiro, Mestre Kim usa um macacão amarelo inspirado no usado por Bruce Lee no filme O Jogo da Morte, filme que Bruce Lee não concluiu em 1972 e foi concluído com cenas de arquivo e uso de dublês e lançado em 1978.



Na edição 7, em Ameaça Biológica Tony Carson, Antonio Ribeiro e Luiz Aguiar (roteiro) e Eugênio Colonnese (desenhos e arte-final), Kim é contactado pelo Inspetor Leiva de Seul, que se parecia muito com Charlie Chan.  Outros personagens surgido na Clássicos das Artes Marciais foram o Space Ninja, Black Jim (inspirado no ator Jim Brown, ex-jogador de basquete, estrela dos filmes blaxploitation, filmes protagonizados por atores negros com a trilha sonora repleta de temas de jazz, soul e funk), Pequeno Ninja (não confundir com o personagem infanto-juvenil criado por Tony Fernandes e Wanderley Felipe), Zaiko, o velho da montanha, Iara, a fera da capoeira, Shan Baka, o campeão do Kickboxer, Yakim, o rei do nunchaco, que lembrava o Shang Chi, Lao Shan, o Bonzo Secreto. 

Allan Alex chegou a desenhar histórias do Black Jim e Iara, a fera da capoeira, José Mezenes, fez histórias do Bonzo Secreto (roteiro) e Bruce Ling, Antonio Krisnas criou as Feiticeiras Xaolim nas histórias de Bruce Ling e Drácula, também roteirizou Bonzo Secreto, Zaiko, o velho da montanha e Space Ninja. Além de Mestre Kim, Marcelo Quintanilha ilustrou Bonzo Secreto e Bruce Ling, Claudivan Nonato produziu histórias do Bonzo Secreto, Bruce Ling, Yakim, Shan Baka, Zaiko, o velho da montanha e outros personagens que não tiveram continuidade, João Manoel ilustrou e arte-finalizou histórias do Bonzo Secreto e Bruce Ling.



Outras histórias são difíceis de identificar a autoria.

A capa da primeira edição de Bloquinho Apresenta Clássicos das Artes Marciais  pintada por Nilton Mendonça, foi inspirada no poster do filme The Big Brawl (1980), estrelado por Jackie Chan.










Clássicos das Artes Marciais bloch bruce ling




Capa inspirada no filme O Voo do Dragão (The Way of the Dragon)

                    

Páginas de Mestre Kim #2









Editora Abril


Na Editora Abril,  Shang-Chi  não teve um título mensal, suas histórias eram publicada nos seguintes mixes:

Heróis da TV, Capitão América e Superaventuras Marvel e Marvel Especial, tendo apena s duas edições solo, a primeira no Almanaque Mestre do Kung Fu #1 (1982) e outra em Grandes Heróis Marvel #6 (1984), nos especiais foram publicadas histórias escritas por Doug Moench e desenhadas por Gene Day, Mike Zeck e  Paul Gulacy.



almanaque mestre kung fu grandes heróis marvel

 Uma das histórias publicadas no  Almanaque Mestre do Kung Fu, publicada originalmente em Master of Kung Fu #75 (1979).




Escala

Fei Long aplicando uma voadora, ao seu lado o jamaicano Dee-Jay e na frente, o americano Guile

Liu Kang

Conforme um texto anterior desse blog, em meados da década de 1990, a Escala iniciou a publicação de revistas em quadrinhos baseadas em vídeo games. Com o sucesso de um título de Street Fighter, que após o termino das histórias americanas da Malibu Comics, passa ter histórias produzidas no país. O jogo possui um personagem nitidamente inspirado em Bruce Lee, Fei Long, que chegou a ter algumas histórias solo escritas por Alexandre Nagado (que também transformou Long em ator de tokusatus, uma alusão aos trabalhos anteriores de Nagado para o estúdio Velpa, que produziu quadrinhos baseados nas séries para a EBAL e para Abril).



Curiosamente, Steve Englehart, co-criador do Mestre do Kung Fu, escreveu dois episódios da série animada Street Fighter: The World's Greatest Warrior, onde Ryu e Ken encontram o Akuma e The Flame and the Rose, com Rose, Blanka e Ken lutando contra Bison.




Logo em seguida, a editora inicia a publicação de uma outra revista inspirada em video games da Malibu: Mortal Kombat. O personagem Liu Kang também se assemelha a Bruce Lee. A editora também consegue uma licença da revista Bruce Lee da Malibu, roteirizada por Mike Baron e ilustradas por Val Mayerik. Faixa preta de caratê de segundo dan, Baron afirmou que embora fosse fã de Mestre do Kung por Paul Gulacy, os golpes aplicados por Shang-Chi eram bastante irreais e por isso, tentou retratar os golpes de Bruce Lee da forma mais real possível, uma vez que ambos praticam artes marciais. Baron também trabalhou em outras HQs relacionadas com Bruce Lee, estreladas por Kato (personagem interpretado por Bruce Lee na série de TV O Besouro Verde) Baron roteirizou as mini-séries Kato of the Green Hornet I (1991) e II (1992), desenhadas respectivamente por Brent Eric Anderson, Todd Fox  e Val Mayerik.




Com seis edições, a série trazia histórias fictícias inspiradas no ator, e que curiosamente trazia um preview de histórias de Mortal Kombat (esse preview já estava presente nas edições americanas). Essa não foi a primeira versão de Bruce Lee em quadrinhos, em 1982 foi publicada a tira de jornal The Legend of Bruce Lee, roteirizada por Sharman Divorno e desenhada por Fran Matera.


bruce lee comic strip

Trama

Em 1998, a Editora Trama (fundada por Ruy Pereira, ex-sócio e co-fundador da Escala), consegue a licença para explorar Mortal Kombat em quadrinhos e em RPGs, nos quadrinhos, a editora publica uma min-série em quatro edições, escrita por Rogério Saladino e ilustrada por Eduardo Francisco (que também ilustrou Megaman para a Magnum), Joe Prado e Dino Gomes.
Embora a editora também tenha conseguido a licença de Street Fighter, Fei Long não aparece na minissérie Street Fighter Zero 3.

Liu Kang em Mortal Kombat 4, arte de Dino Gomes 





Em 2015, a editora Darby Pop Publishing e a Bruce Lee Entertainmen anunciaram uma nova série de quadrinhos estrelada por Bruce Lee, a primeira edição trará uma história escrita pela filha dele, Shannon Lee  e Jeff Kline (que chegou a roteirizar episódios da série animada Jackie Chan Adventures),desenhos de Brandon McKinney e capa de Bernard Chang.


Agradecimentos ao João Paulo Alves
Fontes e referências

Heitor Pitombo. (Junho de 2007). "Marvel 40 Anos no Brasil", "Revista Crash #5, Editora Escala

Fernando Bertacchini (1995) "As Aventuras de Bruce Lee" em Heróis do Futuro #20, Press Talent

Black Belt Vol. 32, Nº 9 set. 1994

Master of Kung Fu Vol 1

Os quadrinhos nacionais da Vecchi - Parte Final

O Bruce Lee de Antonino

Antonino, homem bom

Fu Manchu

Shang-Chi/Master of Kung-Fu Characters

Bruceploitation

Deadly Hands of Kung Fu

Deadly Hands of Kung Fu Vol 1


Revista Junior 001 - A Cimitarra de Buda

Bruce Lee (comics)

Strisce della Magnesia San Pellegrino, e altro Salgari a fumetti

Capitão Mistério Apresenta

Shang-Chi, Master of Kung Fu

Emilio Salgari - Aventuras na Ásia


Bruce Lee: O Aniversário do Dragão Chinês e sua influência na cultura pop

Fah Lo Suee (Earth-616)

As Artes Marcias nas HQs - Parte 1

As Artes Marcias nas HQs - Parte 4


Bruce Lee, Shang Chi & Kill Bill

Entrevista Jim Starlin - Um sucesso escrito nas estrelas.

Kung Fu #1 (Ebal).

Kung Fu #2 (Ebal)


Guia dos Quadrinhos

GuiaEbal


Movie posters by Comic book artists

Iconic Martial Arts

Worney Almeida de Souza, Pancadaria Oriental,  Herói n. 59, Acme/Nova Sampa, 1995

Bruce Lee Strips - Sundays - February 6, 1983

Mike Baron

Conversing on Comics with Mike Baron

Kato - Dynamite Entertainment

Mike Baron - Grand Comics Database

Zack Box - Grand Comic Database

Kung... Fue

Comic Book Artist #7- A Master of Comics Art Artist Paul Gulacy and His Early Days at Marvel

Kung-Fu #2 - Ediciones Amaika, S.A.

Kung-Fu - Ediciones Amaika, S.A. - Barcelona 1976-1979

Review - Mestre Kim #7

38 anos de Taekwondo “oficial” no Brasil

Bruce Lee Clone

Personalidades inspirando Personagens


Make Mine Manhwa!: Exporting Korean Comics

Kim San-Ho

Interview: Mike Baron on the return of The Badger

Shang Chi: Master of Kung Fu - The Unofficial Reference Guide

Essential Master Of Kung Fu

The Shang Chi Chronology

Shang-Chi (Master of Kung-Fu) characters Appendix to the Han
dbook of the Marvel Universe

Entrevista de Paul Gulacy a revista Amazing Heroes #159 (fevereiro de 1989)

José Menezes - Entrevista - 1978

Todos Lutam Kung Fu, Gafanhoto!

The Clones of Bruce Lee


Universo HQ entrevista Marcelo Quintanilha - Abrindo caminho a (sete) balas no mercado europeu

Comic Book Artist #7 (fevereiro de 2000) TwoMorrows Publishing

Back Issue #105 (maio de 2018)  TwoMorrows Publishing, preview

Entrevista: Paul Gulacy, mestre dos quadrinhos
Sax Rohmer & Fu Manchu - the comics

Comentários

  1. ótima matéria, realmente, o Bruce Lee impulsionou as artes marciais absurdamente. Assim como o filme do Conan, tem atores/personagens que são simplesmente muito icônicos.

    ResponderExcluir
  2. Quiof, não sei se é o caso, mas o Mestre do Kung-fu voltou em revista própria nos EUA faz um tempinho.
    Aqui:
    http://heroi.gameworld.com.br/quadrinhos/o-retorno-do-mestre-do-kung-fu#.U9f9TeNdXIc

    E aqui:
    http://marvel.com/comics/issue/50533/deadly_hands_of_kung_fu_2014_1

    Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vi sim, mas o post é focado em sua origem, mas é legal ter o seu comentário (o pessoal é meio tímido, a maioria só visita mesmo).

      Excluir
    2. Mesmo com a fama do bruce lee nos anos 70 o auge Quiof, o cara era tipo a maquina de fazer grana para pessoas que exploravam a imagem dele(mesmo na china e nos eua) , vendia desde hqs inventadas do nada e filmes trash com homenagem ao herói das artes-marciais! Meso depois de sua morte precoce em 1973 o cara ainda é uma lenda!Nos games,no cinema e nas artes-marcias pelo mundo quiof!

      Excluir
    3. sim, mas por favor, divulgue os links, não copie os textos, isso é plágio.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Muttley e Rabugento

Muttley e Rabugento (Mumbly no original) são bem parecidos, nesse texto pretendo explicar as origens criativas contar um pouco da história desses personagens ao longo dos anos.

Mangás brasileiros ao longo das décadas

Esse texto é uma atualização do texto publicado no site Kotatsu Wikia, onde fui convidado a colaborar em um texto pré-existente.


Histórias em Quadrinhos em domínio público nos Estados Unidos

Quando se diz que uma obra está em domínio público, significa que seus direitos expiraram e que pode ser usada livremente. Contudo, definir o domínio público não é uma tarefa fácil.